Estudo sobre João 21.15. Pedro, tu me amas?

A Paz do Senhor, leitores, Em Janeiro de 2021 fui convidado a levar uma mensagem no culto de minha igreja. O tema foi um pequeno estudo sobre Estudo sobre João 21.15: “Pedro, tu me amas?”

A Paz do Senhor, leitores, Em Janeiro de 2021 fui convidado a levar uma mensagem no culto de minha igreja. O tema foi um pequeno estudo sobre Estudo sobre João 21.15: “Pedro, tu me amas?”

Texto base: João 21.15-17

Introdução

Janeiro é um mês onde nós buscamos retomar nossas forças, refazemos nossos votos, repensamos sobre nosso ano anterior, e assim por diante. Podemos aprender algo com a atitude de Pedro para com Jesus? Certamente que sim! Boa leitura.

Pensando de uma forma mais simples, renovo está diretamente ligado a felicidade, porque não estamos falando aqui apenas de um renovo energético, aquele em que se recupera tendo uma boa noite de sono. Quero me referir aqui a algo mais profundo, maior, mais complexo: um renovo para nossa mente, pras nossas dores, pras nossas angústias, como mencionei no começo, um renovo que está lado a lado com a felicidade, e com isso podemos trazer a tona o verso de Lucas 11.28.

Lucas 11.28
Ele respondeu: “Antes, felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus e lhe obedecem”.

É reconfortante para nós cristãos este versículo, nos dá uma esperança no Senhor, nós que somos (buscamos ser) obedientes, mas aí vemos em Gálatas 3.10, um versículo que nos põe para pensar:

Gálatas 3.10
Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las.

Duas obediências: legalista e a graciosa

Com base nos dois versículos acima, gostaria de abordar as duas obediências, conforma diz o título.

A primeira é a legalista, que vem do legalismo. Legalismo é o estilo de vida de pessoas que acreditam que o cumprimento das regras torna o indivíduo merecedor do favor e da salvação divina.

Quando olhamos pela ótica da lei, do “errar já era”, vemos o quão abençoados somos de termos a graça de Deus em nossa vida. Quando vemos ali obediência, não é a obediência de se cumprir a cada vírgula, pois se fosse isso, estaríamos perdidos.

A segunda é a graciosa. A obediência graciosa pertence à postura amorosa, dadivosa, misericordiosa e perdoadora de Deus. A obediência legalista exige que você obedeça a cada regra, caso contrário, está perdido. A obediência graciosa diz que, se Deus reconhece em seu coração um espírito ode graça se ele vê uma disposição sincera, amorosa e humilde de obedecer, se ele identifica uma reação positiva a sua palavra, apesar dos momentos em que falhamos, ele nos considera obedientes.

Contextualizando o diálogo de Jesus e Paulo

Agora para fazer sentido, é importante explicar qual momento está a situação: Jesus já havia sido crucificado, Pedro já havia negado a Cristo 3 vezes, já havia duvidado enquanto andava sobre as águas com Jesus (João 6), Pedro já tinha sido chamado de Satanás por Jesus, por não querer que o mestre sofresse e morresse. É este Pedro que agora Jesus chama e pergunta: Você me ama?

Agora vamos analisar o Texto base, agora que nós já vimos a base do texto.. rsrs

No capítulo 21, Jesus chega, vê os discípulos pescando, sem pegar nenhum peixe; Jesus, sem que eles o reconhecessem, pede algo para comer, e vendo que eles não tinham, pede que jogue a rede do outro lado, e o livro de João diz que 153 grandes peixes foram pegos, e mesmo assim a rede não estourou. Jesus então é reconhecido pelos Apóstolos, chama-os para comer, e depois de comer, chama Pedro e começa a perguntar se Pedro o ama, como lemos no texto base.

As palavras traduzidas para amor, do Grego

Para entendermos o que está acontecendo aqui é importante que saibamos as palavras que foram usadas, e para isto, teremos que recorrer ao texto original:

No grego, há 4 palavras que podem ser traduzidas como “amor”, e é importante sabermos quais são elas:

1) Agapao – O amor ágape é aquele tipo de amor que não busca seus próprios interesses, é um amor desinteressado, puro e genuíno. O amor ágape não esmorece, mas é constante e permanece forte até às últimas consequências, é um tipo de amor invencível, capaz de amar o mais indigno dos homens.

Assim, o amor ágape não é apenas um mero sentimento ou emoção, mas uma entrega voluntária e pessoal que conduz a plena submissão.

2) Phileo – Tecnicamente philos é o termo grego alternativo para agape, porém pela distinção feita pelos cristãos, o amor philos pode ser mais bem compreendido como sendo um sentimento de simpatia natural, uma profunda amizade e carinho que alguém dispensa aos seus amigos e familiares.

No Novo Testamento, por exemplo, o amor philos é empregado para indicar afeição intima (Jo 11:36; Ap 3:19) e para indicar o prazer e satisfação de se fazer coisas agradáveis (Mt 6:5).

3) Stergo é um verbo que está mais relacionado com afeição familiar. Seria traduzido com propriedade para o português por amar com ternura, suportar. Seu uso mais normal é descrever o amor entre cônjuges, parentes, e entre pais e filhos.

4) Eros – O amor eros geralmente expressa a ideia de amor entre homem e mulher, um amor mergulhado em paixão e romantismo, transmitindo também o sentido de desejo passional, sensual e sexual. Nós temos a ideia pejorativa com sua palavra derivada: erótico

Sabemos que o diálogo entre Jesus e Pedro não foi feito utilizando a língua grega, mas sim, o aramaico. Porém, o autor do livro (João) fez questão de apresentar uma diferenciação no vocabulário. Quando Jesus pergunta para Pedro se ele o ama, Jesus usa o verbo Agapao, querendo saber se Pedro é capaz de amá-lo com todo o seu coração, de forma profunda e incondicional. Contudo, Pedro responde que o ama com o verbo Phileo, ou seja, Pedro o amava de forma incompleta.

Por que Pedro continuou respondendo “eu gosto muito de você”?

Lembra-se de quando Pedro negou a Jesus antes da crucificação? Pedro tinha dito a Jesus que jamais o negaria, mas na hora “H”, ele falhou. A Bíblia relata que Pedro chorou amargamente depois disso. Agora em João 21, onde Cristo tem esta conversa com Pedro, Jesus faz a mesma pergunta três vezes, para que Pedro refletisse na resposta que estava dando, e reconhecesse que não podia ser fiel a Deus sem a ajuda de Cristo.

Mas algo surpreendente ocorre na terceira vez que Jesus pergunta a Pedro “você me ama?” (João 21:17). Jesus agora usa a expressão phileo, dando a entender que Jesus aceita o amor de Pedro por ele, mesmo sendo limitado pela fragilidade humana. Tanto é assim que na terceira vez, Pedro responde: “Senhor, tu sabes que eu te amo (phileo)”. É um amor imperfeito, que necessita da graça de Deus para se tornar Ágape, mas é o que Pedro tinha para oferecer a Jesus, tendo fé de que seria transformado pela graça de Deus.

O que é maravilhoso é que Jesus aceita este amor imperfeito que Pedro e todos nós temos para com Ele. Mais que isso: Jesus nos convida a sermos Seus colaboradores em servir a humanidade. Ele diz à Pedro: “Apascenta as minhas ovelhas” (João 21:17). Obviamente Deus quer que todos tenhamos o amor Ágape em nosso coração. Mas a vida cristã é uma vida de aprendizado contínuo. É a graça de Deus, através do Espírito Santo, trabalhando em nosso coração a cada dia, que vai fazer uma transformação em nosso coração, até atingirmos o ideal que Deus quer para a nossa vida. Buscando a Deus através da oração sincera, e do estudo humilde da Bíblia a cada dia, podemos deixar que o Espírito Santo faça a obra em nós..

Sabe porque Pedro continuou dizendo: “eu gosto muito de você” em vez de usar a mesma palavra que Jesus usou?

Pedro já havia negado a Cristo 3 vezes, ja havia duvido enquanto andava sobre as águas com Jesus (Joao 6), Pedro ja tinha sido chamado de Satanás por Jesus, por não querer que o mestre sofresse e morresse. É este Pedro que agora Jesus chama e pergunta: Você me ama?

Simples, sua vida não correspondia a essa expectativa. Se ele dissesse: “Senhor, tenho um grande amor por você”, Jesus poderia ter dito: “Então por que não me obedece?” Por que me negou? Pedro não tinha esquecido suas experiências com o mestre e o quão grande era sua sabedoria.

Pela terceira vez, ele lhe disse: “Simão, filho de João, você me ama? Mas nesta vez agora Jesus pergunta com a mesma palavra que Pedro dizia o amar, ele dizia com agapae e não com phileo mais. Jesus estava agora questionando sobre o amor que Pedro afirmava ter. 

Então agora vemos um Pedro magoado, triste com estas palavras: além dele já ter aceitado suas falhas e sua negativa pelo mestre, ele agora estava sendo indagado sobre o amor (que não era o maior, não era o perfeito) que estava afirmando sentir.

Pedro não havia saída, o que dizer? pra onde ir? Pedro se volta ao mestre e diz: “Senhor, sabe todas as coisas e sabe que eu gosto muito de você”.  Ele apela a onisciência de Jesus; ele sabe que Jesus sabe tudo e não poderia cair no engano de achar que não falharia novamente.

Seu amor nem sempre era demonstrado da melhor forma, talvez ele não considerasse evidente em sua vida, mas a onisciência de Deus vem ao nosso encontro.

eu comecei a dizer algo neste sentido na semana passada durante o louvor; O Senhor sabe todas as coisas, sabe que nem sempre nós iremos conseguir demonstrar todo o nosso amor a Deus, sabe que nós falhamos, talvez assim como Pedro, você o tenha até mesmo negado na frente de alguém, se envergonhado do nome dele. Ainda que seja este seu caso, Deus não somente te ama, como ele também quer te usar.

Nós precisamos nos achegar a Jesus como Pedro fez

Pedro, alguém que falhou com Jesus outra vezes, novamente confrontado pelo mestre resolve abrir seu coração e se declarar ao Senhor, tentou dizer exatamente qual era o seu sentimento, sem falsas palavras, sem exageros, sem mascaras. Pedro aqui está nos ensinando uma lição valiosa: Chegarmos a Deus sem mascaras!

Jesus pega este homem, falho é verdade, mas com coração sincero perante ele e faz algo que enche nosso coração de esperança: “Apascenta minhas ovelhas”. Jesus viu a postura de Pedro e sua disposição em obedecer, mesmo tendo falhado tantas vezes. Aqui vemos que Deus nos usa e nos quer pelo sua graça, pela nossa obediência graciosa, não pelo legalismo.

Olha que tremendo, O Jesus está nos dizendo para ouvirmos sua palavra e obedecermos, mas não com aquela dedo indicador apontado pra nós, esperando nossos tropeços, esperando nossas falhas para nos acusar;  mas uma obediência em que ele sonda nossos corações e enxerga em nós a vontade de obedecê-lo, a vontade de estar com ele, e a vontade ser usado por ele.

  • Se você quer seguir a Deus e quer fazer mais para ele, mas sabe que é falho e pecador, então Jesus quer te usar!
  • Se você reconhece que tem errado, mas quer chegar a Jesus com um coração sincero, então Jesus irá se aproximar de você!
  • Se você ja errou no passado, mas quer se reconciliar com Jesus, então ele está aqui esperando você se achegar
  • Se você está cansado e precisa de um renovo do Senhor, ele está aqui para alcançar.

Join Us Today

Digite um endereço de e-mail válido.
Preencha esse campo
Preencha esse campo

Compartilhe…

Veja também

Menu