Quem foi Maria Madalena?

Maria Madalena foi Prostituta? Adúltera? Santa que merece adoração? “Apóstola”? Possuída por demônios? Este são alguns dos assuntos que vamos esclarecer. Se você quer saber quem foi Maria Madalena segundo a Bíblia e aprender a discernir entre os vários mitos que vem ao seu redor, você está no artigo certo!

Neste estudo vamos abordar uma das mulheres mais incompreendidas e injustiçadas da Bíblia. Quem foi Maria Madalena? Prostituta? Adúltera? Santa que merece adoração? “Apóstola”? Possuída por demônios? Este são alguns dos assuntos que vamos esclarecer. Se você quer saber quem foi Maria Madalena segundo a Bíblia e aprender a discernir entre os vários mitos que vem ao seu redor, você está no artigo certo!

Texto base: João 20.1-18

1 No primeiro dia da semana, bem cedo, estando ainda escuro, Maria Madalena chegou ao sepulcro e viu que a pedra da entrada tinha sido removida.
2 Então correu ao encontro de Simão Pedro e do outro discípulo, aquele a quem Jesus amava, e disse: “Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o colocaram!”
3 Pedro e o outro discípulo saíram e foram para o sepulcro.
4 Os dois corriam, mas o outro discípulo foi mais rápido que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro.
5 Ele se curvou e olhou para dentro, viu as faixas de linho ali, mas não entrou.
6 A seguir, Simão Pedro, que vinha atrás dele, chegou, entrou no sepulcro e viu as faixas de linho,
7 bem como o lenço que estivera sobre a cabeça de Jesus. Ele estava dobrado à parte, separado das faixas de linho.
8 Depois o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, também entrou. Ele viu e creu.
9 (Eles ainda não haviam compreendido que, conforme a Escritura, era necessário que Jesus ressuscitasse dos mortos.)
10 Os discípulos voltaram para casa.
11 Maria, porém, ficou à entrada do sepulcro, chorando. Enquanto chorava, curvou-se para olhar dentro do sepulcro
12 e viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e o outro aos pés.
13 Eles lhe perguntaram: “Mulher, por que você está chorando?”
“Levaram embora o meu Senhor”, respondeu ela, “e não sei onde o puseram”.
14 Nisso ela se voltou e viu Jesus ali, em pé, mas não o reconheceu.
15 Disse ele: “Mulher, por que está chorando? Quem você está procurando?”
Pensando que fosse o jardineiro, ela disse: “Se o senhor o levou embora, diga-me onde o colocou, e eu o levarei”.
16 Jesus lhe disse: “Maria!”. Então, voltando-se para ele, Maria exclamou em aramaico: “Rabôni!” (que significa “Mestre!”).
17 Jesus disse: “Não me segure, pois ainda não voltei para o Pai. Vá, porém, a meus irmãos e diga-lhes: Estou voltando para meu Pai e Pai de vocês, para meu Deus e Deus de vocês”.
18 Maria Madalena foi e anunciou aos discípulos: “Eu vi o Senhor!” E contou o que ele lhe dissera.
19 Ao cair da tarde daquele primeiro dia da semana, estando os discípulos reunidos a portas trancadas, por medo dos judeus, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “Paz seja com vocês!”
20 Tendo dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se quando viram o Senhor.

Quem Maria Madalena NÃO ERA

Ela foi prostituta ou adúltera?

Durante anos a igreja católica a considerava Prostituta e adúltera. Esta afirmação ganhou força no ano de 591 quando o Papa Gregório Magnu afirmou:   “Aquela a quem o evangelista Lucas chama de mulher pecadora é a Maria da qual são expulsos os sete demônios, e o que significam esses sete demônios senão todos os vícios?” Com essa afirmação, o sumo pontífice fez uma fusão de três marias: Maria, a pecadora, “que unge os pés do Senhor”; Maria, a de Magdala, liberada por Jesus de sete demônios, e entre as mulheres que o assistem; e Maria de Betânia, irmã de Marta e Lázaro. Esta afirmação não poderia esta mais incorreta, e ja foi abandonada esta interpretação pela igreja católica, e já foi a feita uma nota confirmando o equivoco do Papa e da igreja, que você confere, em português brasileiro aqui

Santa Maria Madalena

A Igreja Católica canonizou Madalena, que é santa desde 2016 (com festa litúrgica em 22 de julho), quando o papa Francisco a nomeou apostola apostolurum, “a apóstolo dos apóstolos” – não por acaso, segundo a Bíblia, foi a primeira a ver Jesus ressuscitado.

Esta afirmação, novamente está incorreta. A Bíblia em nenhum momento dá poderes ou reconhece que Maria Madalena tem alguma diferença dos demais, nem tampouco Jesus a escolheu como apóstolo. Maria ajudou Jesus em seus ministérios, inclusive com seus próprios bens, e foi recompensada com uma amizade sincera e a presença do mestre aqui na Terra. Qualquer outro título ou reconhecimento que foge da bíblia provém do maligno e precisa ser descartado.

Ela teve um caso com Jesus?

Apesar dessa roupagem negativa, Maria Madalena não foi vista como uma  pecadora por todos. Em algumas outras vertentes religiosas cristãs, a  mulher seria a esposa de Jesus e até a mãe de seu filho. Quem nutria  esse pensamento eram os cátaros, povo que vivia no sul da França durante  a Idade Média.

Essa hipótese foi pano de fundo do escritor Dan Brown ao escrever o livro O Código da Vinci,  em que narra um secreto relacionamento entre Jesus e Maria Madalena  retratado secretamente em obras do artista renascentista Leonardo da  Vinci.

alguns historiadores buscam pegar trechos isolados da Bíblia para passar a intenção de Jesus tivera momentos a sós com Maria Madalena, ou que a amasse de uma forma carnal. Ao analisar os 4 evangelhos por completo, vemos que nunca existiu na Bíblia momentos de encontro íntimo entre os dois.

O que a Bíblia não diz sobre Maria Madalena:

  • Não diz que Maria Madalena era a pecadora citada em Lucas 7:36-50;
  • Não diz que era a mesma Maria, irmã de Marta e Lázaro;
  • Não sugere nenhum tipo de relacionamento especial entre Jesus e Maria. Sempre fala de Maria junto com outras mulheres;
  • Depois da ascensão de Jesus, a Bíblia nunca mais menciona o nome de Maria Madalena.

Quem era ela?

Lucas 8.1-3 – Dizia que ela andava com Jesus e tivera 7 espíritos expulsos, e não que era prostituta ou adúltera

Estudos mostram que Maria Madalena, que tem este nome pela cidade de origem (Magdala), provavelmente era uma mulher rica e influente. Não se sabe se ela era viúva ou divorciada, dado o fato de acompanhar Jesus em sua caminhada sem menção de seu marido.

Não deixe de conferir nossa sessão de personagens bíblicos

O que aprendemos com Maria Madalena?

Conversão genuína

Lucas 8.1-3
1 Depois disso Jesus ia passando pelas cidades e povoados proclamando as boas-novas do Reino de Deus. Os Doze estavam com ele,
2 e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e doenças: Maria, chamada Madalena, de quem haviam saído sete demônios;
3 Joana, mulher de Cuza, administrador da casa de Herodes; Susana e muitas outras. Essas mulheres ajudavam a sustentá-los com os seus bens.

Vemos aqui que Jesus em dado momento libertou Maria Madalena de sete espíritos imundos, Vemos uma menção em Mateus 12 que pode indicar que Maria Madalena custou a abandonar seus hábitos maldosos e agora na presença de Jesus teve uma conversão genuína, que buscou andar com Jesus durante toda sua caminhada, se doando pelo grupo e dedicando parte de sua vida à pregação do Evangelho.

Mateus 12.43-45
43 “Quando um espírito imundo sai de um homem, passa por lugares áridos procurando descanso. Como não o encontra, 44 diz: ‘Voltarei para a casa de onde saí’. Chegando, encontra a casa desocupada, varrida e em ordem.
45 Então vai e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele, e, entrando, passam a viver ali. E o estado final daquele homem torna-se pior do que o primeiro. Assim acontecerá a esta geração perversa”.

Devoção e gratidão de Maria Madalena

Qualquer que tenha sido a natureza dos sete demônios, Jesus havia resgatado Maria Madalena de uma prisão física ou espiritual, que possuía e controlava sua vida. Ela estava começando a conhecer a libertação em Jesus, e o seguiu motivada pela gratidão. Sua vida estava agora centrada na pessoa de Jesus. Não havia nada que ela não fizesse por ele. Ela usava seu próprio dinheiro para ajudar a sustentá-lo (Lc 8.2s), seguía-o e cuidava de suas necessidades (Mc 15.41). Durante a crucificação e o sepultamento, Maria não tirava os olhos de Jesus. Ela assistiu à distância quando os soldados o crucificaram e os chefes dos sacerdotes o ridicularizaram (v.40). Ouviu-o gritar Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Mt 27.46). Ela ouviu-o alto brado e expirar. E mesmo então, não desertou de seu posto, viu quando José de Arimateia veio pedir o corpo, seguiu-o até o túmulo e viu onde ele colocou Jesus (Mc 15.47). Quando os outros discípulos haviam todos se dispersado, Maria Madalena estava lá.

Devoção requer sacrifício

Existem muitas pessoas como Maria Madalena. Elas conheceram o amor de Deus e suas vidas mudaram drasticamente. Experimentaram a alegria, a maravilha e a empolgação de seguir Jesus e, ao mesmo tempo, não conseguiam fazer o suficiente para retribuir a ele. Como Maria, eram completamente devotadas. Então a morte, as circunstâncias, lar desfeito ou um casamento fracassado tirou delas o centro de suas vidas, deixando um buraco grande que ninguém poderia preencher. Certezas com as que achavam que podiam contar. Uma fé cristã, um marido amoroso ou um emprego estável, desmoronam diante de seus olhos. Nada mais parece certo. Como Maria, parada e impotente ao pé da Cruz, incapaz de impedir soldados ou os sacerdotes, mas compelida a testemunhar o drama cruel até o fim, elas foram feitas para sofrer com eventos que não podem controla. Corações partidos em sofrimento, elas lutaram sob o peso esmagador da perda e da depressão. Frustradas em suas tentativas de cumprir até mesmo uma tarefa simples, como ungir o corpo com especiarias, elas afundaram em uma depressão tão negra e pesada que não podem mais continuar. Distraídas, chorando e atônitas, como Maria, perderam o caminho de volta e à vida na Ressurreição

Jesus está vivo, ainda que não pareça aos nossos olhos

Depois de um Sábado de insônia e agitação, ela estava lá novamente quando ainda estava escuro, agora com mais especiarias para o corpo de Jesus. De acordo com o Evangelho de João, ela foi a primeira a chegar ao túmulo e a a primeira a sair com a notícia de que o corpo havia sumido. Então correu e foi até onde estavam Simão Pedro e o outro discípulo, a quem Jesus amava, e disse-lhes: – Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram (Jo 20.2). Depois, quando estava chorando diante do túmulo, disse aos dois anjos: … levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram (v.13). Em seu sofrimento e devoção determinada, ela confundiu Jesus com o guarda do jardim, e disse, atordoada: “-Se o senhor o tirou daqui, diga-me onde o colocou, e eu o levarei” (v.15). Ela superou a todos os outros em sua atenção. Durante dois anos ela o havia seguido, apoiado, amado, dependido dele, devotado sua vida a ele; e agora, distraída, chorando e atônita, não conseguia encontrá-lo.

Ás vezes pensamos que Jesus está morto em nossa vida, quando na verdade ele está ao nosso lado e nós não conseguimos reconhecê-lo

A primeira a ver Jesus ressurreto

Ela foi a primeira pessoa a testemunhar Jesus ressurreto. Foi a primeira não só a ver, mas a falar com Jesus, após Sua ressurreição. (João 20:1-18)

Mas  ela também foi a primeira a anunciar que Jesus estava vivo, havia  ressuscitado.

  • Quando todos tinha saído do túmulo, duvidando se Jesus de fato tinha ressuscitado, ela, inconsolada até então chora querendo Jesus, um choro sincero, de quem perdeu seu mestre que vinha guiando seus passos e libertando sua alma.
  • Ela avista 2 anjos e avista Jesus, que ela pensa ser o guarda do jardim, e vem a mensagem de acalento ao seu coração:
  • João 20.17 Jesus  lhe disse: “Não se agarre a mim, pois ainda não subi ao Pai. Mas vá  procurar meus irmãos e diga-lhes: ‘Eu vou subir para meu Pai e Pai de  vocês, para meu Deus e Deus de vocês’”.
  • Ah, que maravilhoso acalento! essa é a confirmação que alegra o coração de qualquer cristão, note: Jesus a chama pelo nome! ou seja, Jesus a conhece. Jesus manda ela anunciar o reino, ou seja: Jesus conta com ela em seu ministério como anunciadora do evangelho e ela termina dizendo: vou subir para MEU PAI e VOSSO PAI, meu DEUS e VOSSO DEUS! Jesus está afirmando que Maria tinha comunhão com ele!

Isto é o que nos espera, irmãos! Quando colocamos nossas forçar em Deus, quando choramos aos seus pés, quando procuramos as pessoas certas, somos acalmados por Jesus, somos reconhecidos por ele e somos filhos da promessa que Ele nos faz, de termos comunhão com ele.

Veja também: Jesus foi Deus e Homem aqui na Terra?

O que aprendemos com Maria Madelena

1 Não importa se você já tentou antes, você pode tentar de novo e se reconciliar com Deus

2 A intimidade com Deus requer sacrifício

3 Ande perto de Deus e veja o impossível e o sobrenatural

4 Ande próximo de Deus e seja reconfortado por ele

comentários Finais

A seguir, copio um trecho do livro de Tom Houston (Personagens ao redor da cruz). Que por sinal, recomendo demais a compra:

Como alguém pode tatear seu caminho de volta da depressão para a vida? Como Maria encontrou seu caminho?

1 – Primeiro, ela foi para lugar certo e falou com as pessoas certas. Ela estava lá no lugar em que via Jesus pela última vez. Três vezes ela voltou para o túmulo, mesmo quando todos os outros haviam desistido. Ela falou com os discípulos e contou-lhe sobre o seu pesar pelo corpo desaparecido. Ela perguntou aos dois anjos onde ele estava, e depois perguntou a Jesus.

O que nós fazemos quando sofremos de depressão profunda? Eu tenho um amigo que viveu um divórcio trágico. Ele quer acreditar, mas nunca consegue Ele evita os cristãos e raramente vem à igreja. E quase como se precisasse de sua perda para se alimentar e não quisesse realmente ajuda para superá-la. Mas Maria não! Em vez de ficar em casa, sozinha, sem falar com ninguém, em vez de alimentar sua tristeza no isolamento ou de reclamar aos ouvidos errados, Maria Madalena foi ao lugar certo e continuou fazendo as perguntas certas às pessoas certas.

2 – Em segundo lugar, percebeu como Cristo a conhecia pessoalmente e se importava com ela. Ela não o encontrou; ele a encontrou. Assim como Maria, talvez nós tenhamos perdido nosso caminho em meio à incerteza, perda, depressão, confusão. Talvez não saibamos onde começar a procurar, ou nem estejamos dispostos a procurar; mas Jesus já está lá na nossa depressão, procurando-nos e nos chamando pelo nome.

3 – Em terceiro lugar, Maria tinha que aprender o que era e o que não era possível. Quando reconheceu Jesus, ela exclamou: Raboni! (Jo 20.16), que significa Mestre, e alegremente o abraçou. Sua maneira de se dirigir a ele sugeria o desejo de retomar a velha atitude e o antigo relacionamento com ele. Ela queria voltar à maneira como as coisas eram antes de Jesus ter morrido, cuidando dele, suprindo as necessidades dele com suas riquezas, seguindo-os pelas cidades e vilas empoeiradas da Galileia. Agora ela podia apagar o pesadelo dos últimos três dias. Tudo seria como antes. Mas Jesus gentilmente soltou as mãos dela e disse: “Não me detenhas; porque ainda não subi para meu Pai (Jo 20.17). Jesus não era mais um homem em carne. Ele tinha um corpo ressurreto. Agora eles teriam um novo relacionamento. Da mesma maneira para nós, relacionamentos ou experiências passados às vezes não podem ar revividos depois de uma perda. Não importa o quanto o desejemos, não podemos voltar ao mesmo lugar. A perda de um colega, a morte de um amiga fim de um casamento, tudo isso muda nossa maneira de pensar, nossas atitudes e nossos relacionamentos. Nós, assim como Maria, temos que descobrir o que é que não é possível do outro lado do desespero.

4 – Em quarto lugar, Maria precisou se livrar de sua maneira antiga de ver Deus. Depois da Ressurreição, Jesus manifestou-se em outra forma (MC 16.12) aos discípulos no caminho de Emaús, e eles não o reconheceram. Nem Maria o reconheceu. Tendo dito isto, voltou-se para trás e viu Jesus mas não reconheceu que era Jesus (Jo 20.14). Face a face com Jesus, Marias confundiu com o jardineiro, porque ainda estava procurando o corpo de um homem morto em vez de um corpo ressurreto. Nós também, muitas vezes procuramos Deus em uma forma; e quando ele vem a nós em outra, não conhecemos e achamos que fomos abandonados em meio ao desespero. Temos ideias estereotipadas e estabelecidas a respeito de Deus. Esperamos que ele se manifeste nos trazendo prosperidade material, cura física ou imunidade contra os desastres. Quando não o encontramos nessa forma, caímos em desespero. Da próxima vez em que estivermos certos de que Deus abandonou, vamos parar de procurá-lo naquilo que ele nunca prometeu e descobrir que esteve conosco o tempo todo de uma maneira diferente. Talvez apenas tenhamos pensado que era o jardineiro. O Deus que nós descobrimos quando estamos certos de que ninguém está lá é o verdadeiro Deus. Finalmente, Maria teve que confiar na relação nova e única com Deus, por meio de Cristo. Quando falou do Pai, Jesus sempre falou “meu Pai”, nunca “nosso Pai”. Seu status de Filho era único. Agora ele estava estendendo esse status de filho a Maria, aos discípulos e a todos os que iriam crer…. mas vai ter com os meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus” (Jo 20.17).

Ele é meu pai e também seu Pai, meu Deus e seu Deus. A Cruz e a Ressurreição mudaram para sempre o nosso relacionamento com Deus e nos tornaram filhos adotivos na família única de Deus. O Espírito transforma você em filho de Deus, e pelo poder do Espírito podemos exclamar: “Pai! Meu Pai!” O Espírito de Deus se junta aos nossos espíritos para declarar que nós somos filhos de Deus. Já que somos seus filhos, vamos receber as bênçãos que ele tem para o seu povo, e também possuiremos, junto com Cristo, o que Deus reservou para ele; pois se compartilhamos os sofrimentos de Cristo, também compartilharemos sua glória (Rm 8.15-17). Que nós possamos, assim como Maria, entrar nessa família adotiva com confiança, acreditando que Deus é nosso Pai, que ele nos ama e que seu amor nunca muda. Só então poderemos descobrir os novos relacionamentos, definir as novas possibilidades e encontrar o Deus que está lá, do outro lado da nossa depressão e da nossa dúvida.

Evidências na Bíblia sobre Maria Madalena:

  • Sete demônios saíram dela (Lucas 8:2);
  • Ela era uma das mulheres que ajudaram Jesus e seus discípulos enquanto estes pregavam o evangelho (Lucas 8:1-3);
  • Ela e muitas outras mulheres seguiram Jesus desde a Galiléia quando ele foi para Jerusalém no final do seu ministério (Mateus 27:55-56);
  • Quando Jesus foi levado para ser crucificado, ela e outras seguiram de longe (Marcos 15:40-41);
  • Quando Jesus foi sepultado, ela foi uma das mulheres que observou o lugar onde o corpo foi posto (Marcos 15:45-47);
  • Ela e outras mulheres foram ao túmulo no primeiro dia da semana para embalsamar o corpo de Jesus (Marcos 16:1-2; Mateus 28:1);
  • Quando ela encontrou o sepulcro aberto, correu para avisar Pedro e João (João 20:1-2);
  • Ela foi uma das primeiras a receber a notícia da ressurreição quando um anjo falou às mulheres perto do túmulo aberto (Mateus 28:5-6). Anunciou a boa notícia aos discípulos (Lucas 24:9-10);
  • Ela foi uma das primeiras pessoas a ver Jesus depois da ressurreição (Mateus 28:8-10; João 20:13-18).

Bom, caminhamos para o fim deste estudo. Espero ele tenha lhe proporcionado crescimento espiritual na palavra de Deus e que nós possamos aprender com muitas atitudes desta mulher que esteve próxima de Jesus durante seu ministério.

Esqueci de algo neste estudo? Comente ai para que possamos seguir melhorando

Compartilhe…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Veja também