Igreja: Templo Santo do Senhor

Falamos tanto da presença de Deus em nossas vidas, nos preocupamos em andar nessa presença e até mesmo clamamos a presença do nosso Salvador. Mas o que exatamente é essa presença? Como posso dizer que Deus está presente?

E pôs-se em pé, perante o altar do Senhor, na presença de toda a congregação de Israel, e estendeu as suas mãos.
Porque Salomão tinha feito uma plataforma de metal, de cinco côvados de comprimento, de cinco côvados de largura e de três côvados de altura, e a tinha posto no meio do pátio, e pôs-se em pé sobre ela, e ajoelhou-se em presença de toda a congregação de Israel, e estendeu as suas mãos para o céu.
E disse: Ó Senhor Deus de Israel, não há Deus semelhante a ti, nem nos céus nem na terra; que guardas a aliança e a beneficência aos teus servos que caminham perante ti de todo o seu coração.
Que guardaste ao teu servo Davi, meu pai, o que lhe falaste; porque tu pela tua boca o disseste, e pela tua mão o cumpriste, como se vê neste dia.
Agora, pois, Senhor Deus de Israel, guarda ao teu servo Davi, meu pai, o que falaste, dizendo: Nunca homem algum será cortado de diante de mim, que se assente sobre o trono de Israel; tão-somente que teus filhos guardem seu caminho, andando na minha lei, como tu andaste diante de mim.
E agora, Senhor Deus de Israel, cumpra-se a tua palavra, que disseste ao teu servo Davi.
Mas, na verdade, habitará Deus com os homens na terra? Eis que os céus, e o céu dos céus, não te podem conter, quanto menos esta casa que tenho edificado?
Atende, pois, à oração do teu servo, e à sua súplica, ó Senhor meu Deus; para ouvires o clamor, e a oração, que o teu servo faz perante ti.
2 Crônicas 6:12-19

Falamos tanto da presença de Deus em nossas vidas, nos preocupamos em andar nessa presença e até mesmo clamamos a presença do nosso Salvador. Mas o que exatamente é essa presença? Como posso dizer que Deus está presente?

Vemos na Palavra de Deus algumas passagens que falam dessa presença, porém de maneiras diferentes, o que nos trazem significados diferentes.

Sabemos que Deus é onipresente, ou seja, Ele está em toda a parte e por isso não há como fugirmos de sua presença: Ele tudo vê e tudo sabe, Jr 23:24.

O salmista abre seu coração, no Salmo 139, perguntando aonde ele poderia ir pra sair da presença de Deus: se ele subir aos céus ou descer ao abismo, Deus estará lá!

É essa onipresença do nosso Deus que nos traz o conforto de saber que não há nada que Ele não possa ver. Ele está em toda parte e seu poder é ilimitado. Assim, se meu amigo ou vizinho está passando por um problema e está clamando a Deus, não significa que eu também não possa clamar, afinal Deus está com ele e comigo também, pode nos ouvir e nos compreender.

Vemos também a presença de Deus sendo mostrada como um cuidado especial com os seus: quando Deus disse que estaria com seu povo Ele não disse no sentido redundante, já que é onipresente, mas no de cuidar, de atender de uma forma especial. E é por essa demonstração de cuidado, provisão e amor que devemos agradecer e buscar. Quantas vezes achamos que estamos sozinhos, que o Senhor nos abandonou, não sentimos sua presença em nossas vidas. Precisamos ter em nossos corações o que o Senhor prometeu: que estaria conosco todos os dias, Mt 28:20.

Vemos também Deus se manifestando de uma maneira toda especial em certo momento dramático da história, uma presença mais intensa: quando Jacó luta com o anjo, Gn 32:24, ou quando fala com Moisés na sarça ardente, Êx 3:2, e a mais esplendida presença de Deus na pessoa de seu filho Jesus Cristo, Jo 1:14.

Ainda temos a presença de Deus por intermédio da comunhão e adoração. Adoramos e sentimos Sua presença, a presença do Consolador, Aquele deixado como penhor da nossa Salvação. É a manifestação da presença de Deus que é obtida da adoração e da comunhão. Presença também revelada no Sinai, Êx 24:17, e no tabernáculo, Êx 40:35.

O texto de 2Cr 6:12 -18 nos mostra a conclusão do templo de Salomão. E sabemos que Salomão, filho de Davi, foi o Rei que o Senhor levantou para construir o Templo para habitação da Arca da Aliança.

Desde que o Senhor ordenara a Moises a construção da Arca da Aliança ela ficava em tendas. Por tempos ficou em casa de sacerdotes, mas não havia um templo para ela. A arca simboliza a presença de Deus no meio do povo.

Davi teve o desejo despertado em seu coração para a construção do templo, porém, o Senhor disse que não era incumbência de Davi essa construção, visto que havia muito sangue em suas mãos, devidos às muitas guerras. Mas, Davi tudo preparou para que seu filho pudesse construir o templo, um abrigo definitivo para a arca, o símbolo da presença do Senhor, no meio da congregação.

Hoje estamos vivendo o tempo da graça. Quando Jesus morreu por você e por mim naquela cruz, o véu se rasgou e passamos a ter acesso ao Pai. Hoje a Igreja de Cristo é o Templo da morada do Altíssimo, graças à presença intensa e esplêndida de Jesus Cristo que se fez homem, por mim e por você.

O Templo era um lugar para habitação de Deus. Lugar de sacrifícios e adoração. Hoje nós somos essa habitação, e precisamos dedicar a Deus sacrifícios de louvores e adoração.

Hoje não precisamos mais de sacrifícios de animais, como eram feitos no templo. Mas as outras características nós precisamos manter. A Palavra do Senhor, em 1Co, diz que hoje somos o templo e santuário do Altíssimo. O templo de Deus representa esperança de restauração, compromisso com a Palavra de Deus, obediência, oração e sacrifício. Por essa razão devemos observar algumas características do templo:

Templo é lugar de humilhação. A palavra de Deus nos mostra um rei da magnitude de Salomão, se humilhando perante Deus.

É compreensível e comum que qualquer rei queira se sentir importante, o maior e mais valoroso homem. Vemos ainda exageros de reis, na história, que queriam se assemelhar a Deus, queriam ser adorados e jamais serem vistos em situação de fraqueza ou humilhação. Salomão era um rei poderoso. A Bíblia relata momentos quando vários reis vinham visitar Israel para conhecer mais de Salomão, ouvir sua sabedoria e ver sua Glória. Muitos saiam admirados pois o que eles viam era maior do que tinham ouvido falar. Salomão tinha paz, tinha riqueza e sabedoria. Sua fama corria por todos os reinos. Era homem grande e respeitável. Muitos, na posição dele, poderiam não querem se humilhar.

Mas a palavra de Deus diz que ele subiu sobre uma tribuna no templo e se ajoelhou diante de toda a congregação e orou ao Senhor. Exaltou a grandeza de Deus e todo seu poder. Reconheceu que ele está no trono porque o Senhor cumpriu uma promessa feita a seu pai, Davi, e declarou conhecer que não faltará sucessor ao trono se, no entanto, andarem nos caminhos de Deus.

No Templo de Deus tem de haver humilhação. Você tem se humilhado diante do Senhor? Salomão, com tamanha glória, reconhece a grandeza de Deus. E nós, pobres pecadores, quantas vezes compramos um carro novo e achamos que somos os responsáveis, adquirimos um bem e deixamos Deus de fora como se fossemos autores da nossa existência. Reivindicamos a autoria por coisas pequenas que conquistamos pela misericórdia de Deus e ainda nos intitulamos humildes. Pobre de nós, se não fosse a misericórdia de Deus já nem aqui estaríamos!

Precisamos ser templo de Deus para reconhecer o que somos e o que Ele é. Nós somos o que fomos e o que voltaremos a ser: pó. Eu sou pó. Do pó eu vim e ao pó voltarei. Somente Deus é o que é. Pois Ele sempre foi Deus e sempre será. Somente Ele pode dizer “Eu sou o que sou” ou “Eu sou o grande Eu sou”, pois só Ele de fato é o que é. Nós somos pó!

Se eu não tenho me sentido pequeno diante de Deus, está na hora de um me questionar sobre a real presença de Deus em mim. Não há como ser templo de Deus se pensarmos que somos como Ele. Somente com humilhação posso ser capaz de perdoar e ser perdoado. Somente na presença de Jesus posso ser convencido dos meus pecados, me arrepender e mudar meus caminhos.

Na presença de Deus há louvor e gratidão.

 Até mesmo a fé que recebemos é dom gratuito de Deus. Ou seja, sem Ele, nem isso teremos. Se não estivermos nEle, não teremos fé e esperança. Reconhecer as dádivas recebidas do Criador nos faz renascer e compreender o quanto o Senhor tem cuidado de nós. Estamos vivendo momentos difíceis, quando o homem quer crescer e diminuir Deus. Cada vez mais, vemos brigas pelo poder, pelo reconhecimento e a autopromoção. Caridade virou espetáculo, adoração virou show, púlpitos viraram palcos e assim por diante. Não precisamos procurar muito para ver homens e mulheres cheios de si, acreditando que são seus próprios deuses e que definem seus destinos. O pecado se tornou condicional à perspectiva que é observada. Mas, pecar é errar o alvo, e o alvo é Jesus. Será que isso é significativo para muitos?

Agradar a Jesus pode significar tudo para alguns e nada para outros.

Não há como ser templo do Espírito sem a presença de louvor e gratidão. Fomos criados para a Glória de Deus e isso deve refletir em nossas vidas diariamente.

Na presença do Senhor há confiança.

Salomão se coloca diante de Deus e clama ao Senhor. Deposita nEle toda sua confiança e esperança de dias melhores. Salomão pede para que Deus esteja presente em cada momento da vida dos israelitas ainda que eles venham a pecar. Salomão pede para que o Senhor os escute e ainda os perdoe. Na presença de Deus há clamor. No decorrer do capítulo 6, podemos ver Salomão orando e clamando a Deus. Confiando que, ainda que venha guerra, peste, fome, e isso tudo em decorrência do pecado contra Deus, se esse mesmo povo orar e se arrepender do pecado cometido, o Senhor terá misericórdia de todos eles, perdoará seus pecados e atenderá suas súplicas.

Nós somos templo do Espírito. É preciso viver em confiança, súplica e clamor. Estamos vivendo dias difíceis, mas ainda somos, como igreja unida, habitação do Altíssimo. Temos a liberdade de nos voltarmos para Ele com humilhação, louvor e súplica, e assim clamarmos para que o Senhor sare nossa nação.

Ao final da oração de Salomão, a Palavra do Senhor diz que o templo se encheu da glória de Deus. Da mesma forma, hoje, o Senhor enche-nos com o Espírito Santo. Que a Igreja do Senhor tenha a identidade de Templo Santo, Casa Espiritual, Habitação do Altíssimo. Que possamos nos encher do Santo Espírito e clamar na presença de Jesus.

Referência:

Bíblia de Estudos de Genebra , Editora Cultura Cristã
Bonhoeffer, Dietrich “Discipulado”
Selman, Martin J. “1 e 2 Crônicas, Introdução e comentário”
Douglas, J. D. “O novo dicionário da bíblia”

Join Us Today

Digite um endereço de e-mail válido.
Preencha esse campo
Preencha esse campo

Compartilhe…

Veja também

Menu