A incrível história de confiança de Gideão e os 300

Você já ouviu falar de Gideão e os 300? Não os 300 de Sparta, mas os 300 que fizeram um feito muito maior, que foi aniquilar um exército sem nem precisar guerrear. Se você ainda não conhece ou quer relembrar, continue lendo este artigo e se surpreenda com os resultados de quando confiamos em Deus.

Você já ouviu falar de Gideão e os 300? Não os 300 de Sparta, mas os 300 que fizeram um feito muito maior, que foi aniquilar um exército sem nem precisar guerrear. Se você ainda não conhece ou quer relembrar, continue lendo este artigo e se surpreenda com os resultados de quando confiamos em Deus.

Texto bíblico: Juízes capítulos 6 e 7

Contexto

Para que a história faça sentido, é importante entendermos o que está ocorrendo na época e local analisados, desta forma conseguiremos observar alguns detalhes que tornam a história ainda mais incrível.

Tudo acontece entre 1050 e 1000 antes Cristo o período aqui é importante observarmos que Moisés já libertou o povo cativo e que Josué já iniciou suas investidas na terra prometida, e este fato é crucial para a compreensão de alguns pontos a frente

Com a chegada do povo à terra prometida, os Israelitas voltam a pecar, se afastam de Deus e quando tudo começa a ir de mal a pior, iniciam um clamor a Deus. É possível notar que este ciclo se repete algumas vezes, o que evidencia ainda mais a misericórdia de Deus e o propósito com Seu povo. E e é neste ponto que a leitura se inicia em Juízes 6.

Por que o Livro se chama Juízes?

Livro dos Juízes é assim chamado porque contém a história da libertação e governo de Israel pelos homens que tinham o título de “juízes”. O livro de Rute originalmente fazia parte deste livro, mas por volta de 450 d.C. foi separado dele e colocado nas escrituras hebraicas imediatamente após o Cântico dos Cânticos. (Fonte: Livro dos Juízes. Um estudo bíblico do Livro dos Juízes)

Capitulo 6 – Deus usa quem Ele quer, como Ele quer e quando Ele quer

Para um melhor aproveitamento da leitura iremos ler algumas partes, pausamos para alguns comentários e iremos dando sequência, ok? A Versão que utilizaremos é a NVI (Nova versão Internacional, mas sinta-se livre para ler em sua Bíblia, com sua versão preferida.

1 – De novo os israelitas fizeram o que o Senhor reprova, e durante sete anos ele os entregou nas mãos dos midianitas.

2 – Os midianitas dominaram Israel; por isso os israelitas fizeram para si esconderijos nas montanhas, nas cavernas e nas fortalezas.

3 – Sempre que os israelitas faziam as suas plantações, os midianitas, os amalequitas e outros povos da região a leste deles as invadiam.

4 – Acampavam na terra e destruíam as plantações ao longo de todo o caminho, até Gaza, e não deixavam nada vivo em Israel, nem ovelhas nem gado nem jumentos.

5 – Eles subiam trazendo os seus animais e suas tendas, e vinham como enxames de gafanhotos; era impossível contar os homens e os seus camelos. Invadiam a terra para devastá-la.

6 – Por causa de Midiã, Israel empobreceu tanto que os israelitas clamaram por socorro ao Senhor.

Juízes 6.1-6

Aqui lemos algo comum com o ser humano: muitas vezes nos afastamos de Deus e voltamos a clamar quando tudo está perdido. Esperamos o desespero chegar à nossa porta para clamarmos ao Pai.

Dando sequência na Leitura, Deus envia um profeta para falar com seu povo:

7 – Quando os israelitas clamaram ao Senhor por causa de Midiã,

8 – ele lhes enviou um profeta, que disse: “Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: ‘Tirei vocês do Egito, da terra da escravidão.

9 – Eu os livrei do poder do Egito e das mãos de todos os seus opressores. Expulsei-os e dei a vocês a terra deles.

10 – E também disse a vocês: Eu sou o Senhor, o seu Deus; não adorem os deuses dos amorreus, em cuja terra vivem, mas vocês não me deram ouvidos’ “.

Juízes 6.7-10

Deus relembra seus povo para não adorar outros deuses, a terra prometida foi dada aos Israelitas por serem o povo de Deus. Adorar outros deuses fazia daquele povo iguais aos que estavam alí. Qual o sentido de tirar a terra de adoradores de outros deuses e dar a outro povo que também irá adorar aos mesmos falsos deuses?

Muitas vezes em nossa vida, colocamos prioridade nas mesmas coisas que o mundo põe. Buscamos o Deus verdadeiro mas nossos corações estão nos outros deuses, estão nos tirando do foco, nos tirando daquilo que realmente importa. Já pensou nisto?

11 – Então o Anjo do Senhor veio e sentou-se sob a grande árvore de Ofra, que pertencia ao abiezrita Joás. Gideão, filho de Joás, estava malhando o trigo num tanque de prensar uvas, para escondê-lo dos midianitas.

12 – Então o anjo do Senhor apareceu a Gideão e lhe disse: “O Senhor está com você, poderoso guerreiro”.

13 – “Ah, Senhor”, Gideão respondeu, “se o Senhor está conosco, por que aconteceu tudo isso? Onde estão todas as suas maravilhas que os nossos pais nos contam quando dizem: ‘Não foi o Senhor que nos tirou do Egito? ’ Mas agora o Senhor nos abandonou e nos entregou nas mãos de Midiã”.

14 – O Senhor se voltou para ele e disse: “Com a força que você tem, vá libertar Israel das mãos de Midiã. Não sou eu quem o está enviando? “

15 – “Ah, Senhor”, respondeu Gideão, “como posso libertar Israel? Meu clã é o menos importante de Manassés, e eu sou o menor da minha família”.

16 – “Eu estarei com você”, respondeu o Senhor, “e você derrotará todos os midianitas como se fossem um só homem”.

Juízes 6.11-16

Aqui vemos algo incrível: o profeta enviado por Deus o chama de “Poderoso Guerreiro”. Deus enxerga aquilo que ninguém mais vê; Ele nos capacita para as batalhas, ainda que nós sejamos infiéis, ainda que sejamos fracos, ainda que na maioria das vezes não entendamos os planos Dele para nossa vida. Este é o Deus que cremos!

Gideão, assim como muitas vezes nós fazemos habitualmente, questiona Deus sobre as coisas que estão ocorrendo e por que elas chegaram a este ponto.

Deus poderia passar horas dizendo à Gideão e os 300 a razão pela qual eles estavam passando por aquilo, poderia dizer-lhe que a adoração à outros deuses, a falta de compromisso com Ele, e diversos outros fatores e escolhas erradas os levaram àquela tribulação, mas Deus prefere focar na solução, e prossegue dando força à Gideão e o encorajando a libertar o povo.

Novamente Gideão olha para suas limitações e “informa” Deus de que seu clã é o menor, e dentre o seu clã, ele também é o menor. Em resumo: De todas as pessoas ele se considera a menos apta para realizar tal feito, e duvida exclamando “Como posso libertar Israel?”. Deus confirma seu propósito de uma forma ainda mais ousada: Que derrotaria todos os midianitas como se fosse um só homem.

Deus usa quem Ele quer, como Ele quer , quando Ele quer, assim é Deus.

Capitulo 7 – A Seleção dos Soldados

Deus usa algumas formas de seleção que sem dúvida mostram Seu poder e sua criatividade. Tal seleção sem dúvida soaria impossível se Deus não estivesse no controle da situação.

1 – De madrugada Jerubaal, isto é, Gideão, e todo o seu exército acampou junto à fonte de Harode. O acampamento de Midiã estava ao norte deles, no vale, perto do monte Moré.

2 – E o Senhor disse a Gideão: “Você tem gente demais, para eu entregar Midiã nas suas mãos. A fim de que Israel não se orgulhe contra mim, dizendo que a sua própria força o libertou,

3 – anuncie, pois, ao povo que todo aquele que estiver tremendo de medo poderá ir embora do monte Gileade”. Então vinte e dois mil homens partiram, e ficaram apenas dez mil.
4 – Mas o Senhor tornou a dizer a Gideão: “Ainda há gente demais. Desça com eles à beira d’água, e eu separarei os que ficarão com você. Se eu disser: Este irá com você, ele irá; mas, se eu disser: Este não irá com você, ele não irá”.

5 – Assim Gideão levou os homens à beira d’água, e o Senhor lhe disse: “Separe os que beberem a água lambendo-a como faz o cachorro, daqueles que se ajoelharem para beber”.

6 – O número dos que lamberam a água levando-a com as mãos à boca foi de trezentos homens. Todos os demais se ajoelharam para beber.

7 – O Senhor disse a Gideão: “Com os trezentos homens que lamberam a água livrarei vocês e entregarei os midianitas nas suas mãos. Mande para casa todos os outros homens”.

Juízes 7.1-7

Neste vemos a seleção dos soldados para a guerra. Ao inicio, 32 mil homens estavam se preparando para esta batalha, mas conforme disse Deus, 32 mil homens era um número elevado para esta batalha, Deus não queria que os homens dessem qualquer crédito a sua própria habilidade ou à sua estratégia. A Glória seria somente de Deus!

A seleção se inicia retirando todos que estavam com medo, e o número não era pouco; 22 mil homens deixaram o exercito nessa primeira filtragem, restando 10 mil soldados.

Ainda com dez mil, vemos que Deus desejava acabar com qualquer dúvida a cerca de que Ele traria a vitória, sem depender de nenhum soldado, de uma forma que só Ele poderia elaborar. Com um ato bastante único, eliminando outra grande parte do exercito apenas pela forma de beber água, dispensando outros 9700 soldados, ficando então, com os 300 que haveriam de ganhar a guerra.

Temos alguns aprendizados com esta seleção: a primeira dela talvez seja de que com Deus nunca estamos em minoria. Ele sempre prepara seu exercito e capacita a cada soldado afim de que esteja apto para a batalha em questão.

Outro aprendizado que podemos incluir é que as maneiras que Deus trabalha não precisam fazer sentido para nós; ele haje como quer, não somos nós a ideia central, é sobre Ele.

Podemos ainda incluir um terceiro ponto para reflexão: Quando estamos em maioria, quando as coisas estão indo bem, tendemos a crer de que temos algum mérito na coisa toda, passamos a crer que nossa habilidade ou conhecimento de fato ajudaram a Deus a fazer a obra Dele. Mas quando reconhecemos nossa pequenez perante o Criador vemos que ele nos sustenta e nos prepara para cada batalha.

A escolha dos fracos

Não é novidade que Deus usa as coisas loucas para confundir as sãs e os fracos para confundir os fortes (1 Co 1.27-29), e vemos também algo semelhante na escolha de Israel em Deuteronômio 7

27 – Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios, e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes.
28 – Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são,
29 – para que ninguém se vanglorie diante dele.

1 Coríntios 1.27-29

1 – Quando o Senhor, o seu Deus, os fizer entrar na terra, para a qual vocês estão indo para dela tomar posse, ele expulsará de diante de vocês muitas nações: os hititas, os girgaseus, os amorreus, os cananeus, os ferezeus, os heveus e os jebuseus. São sete nações maiores e mais fortes do que vocês;

2 – e quando o Senhor seu Deus as tiver entregue a vocês, e vocês as tiverem derrotado, então vocês as destruirão totalmente. Não façam com elas tratado algum, e não tenham piedade delas.

3 – Não se casem com pessoas de lá. Não dêem suas filhas aos filhos delas, nem tomem as filhas delas para os seus filhos,

4 – pois elas desviariam seus filhos de seguir-me para servir a outros deuses e, por causa disso, a ira do Senhor se acenderia contra vocês e rapidamente os destruiria.

5 – Assim vocês tratarão essas nações: Derrubem os seus altares, quebrem as suas colunas sagradas, cortem os seus postes sagrados e queimem os seus ídolos.

6 – Pois vocês são um povo santo para o Senhor, o seu Deus. O Senhor, o seu Deus, os escolheu dentre todos os povos da face da terra para ser o seu povo, o seu tesouro pessoal.

7 – O Senhor não se afeiçoou a vocês nem os escolheu por serem mais numerosos do que os outros povos, pois vocês eram o menor de todos os povos.

Deuteronômio 7:1-7

Outros tantos exemplos

Se formos observar as escrituras veremos tantos outros e3xemplos de escolha de fracos e pequenos para que Deus mostre sua glória e realize seu plano como Davi e Golias e Elias e os 450 profetas de Baal

Em nossa vida podemos aplicar o que estamos lendo. Em nossas vidas temos nossas batalhas, grandes e pequenas, as pequenas costumamos fazer e ir vencendo, ir evoluindo, assim como a primeira vez que você dirige e a medida que ganha confiança vai compreendendo que o desafio pode ser vencido; mas há aqueles que de fato não podemos vencer, não há forma humana de passarmos por cima, e é aí que Deus mostra que Ele pode cuidar da situação, sem depender em nada de nós.

A importância da Equipe

Seja no trabalho, em casa ou na igreja. Precisamos de um time. Gideão estava indo em nome do Senhor, mas não estava indo só. Deus selecionou 300 dos melhores homens para aquela missão.

Não adianta ter um time grande, inflado, se eles não jogam junto. Precisamos compreender com quem podemos contar, rever nossos aliados, rever aqueles que estão conosco e entender que nem tudo que é grande é sadio.

Cuidado com o medo

Cuidado com o medo, da mesma forma que o medo garante nossa sobrevivência, impedindo-nos de tomar decisões tolas, muitas vezes ele nos faz tomar decisões que não tomaríamos de forma natural, agimos no desespero, e isto pode nos impedir de confirmarmos em Deus.

9 – Naquela noite o Senhor disse a Gideão: “Levante-se, e desça ao acampamento, pois vou entregá-lo nas suas mãos.

10 – Se você está com medo de atacá-los, desça ao acampamento com o seu servo Pura

11 – e ouça o que estiverem dizendo. Depois disso você terá coragem para atacar”. Então ele e o seu servo Pura desceram até os postos avançados do acampamento.

12 – Os midianitas, os amalequitas e todos os outros povos que vinham do leste haviam se instalado no vale; eram numerosos como nuvens de gafanhotos. Assim como não se pode contar a areia da praia, também não se podia contar os seus camelos.

13 – Gideão chegou bem no momento em que um homem estava contando seu sonho a um amigo. “Tive um sonho”, dizia ele. “Um pão de cevada vinha rolando dentro do acampamento midianita, e atingiu a tenda com tanta força que ela tombou e se desmontou”.

14 – Seu amigo respondeu: “Não pode ser outra coisa senão a espada de Gideão, filho de Joás, o israelita. Deus entregou os midianitas e todo o acampamento nas mãos dele”.

Juízes 7:9-14

Vemos um Deus aqui encorajando Gideão e mostrando que a vitória era dele!

Dividiu os trezentos homens em três companhias, pôs nas mãos de todos eles trombetas e jarros vazios, com tochas dentro.
E ele lhes disse: “Observem-me. Façam o que eu fizer. Quando eu chegar à extremidade do acampamento, façam o que eu fizer.
Quando eu e todos os que estiverem comigo tocarmos as nossas trombetas ao redor do acampamento, toquem as suas, e gritem: Pelo Senhor e por Gideão! ”

Juízes 7:16-18

Aqui Gideão detalha a estratégia para atacar os Midianitas. Com uma trombeta em uma mão e vasos vazios com tocha dentro na outra.
Devemos planeja e criar nossas estratégias. O fato de confirmarmos em Deus não nos permite sermos displicentes, negligentes, “fazermos nas coxas”. Devemos dar o nosso melhor com as ferramentas que temos e crer que Deus potencializará nossas escolhas certas e minimizará nossos erros.

19 – Gideão e os cem homens que o acompanhavam chegaram aos postos avançados do acampamento pouco depois da meia noite, assim que foram trocadas as sentinelas. Tocaram as suas trombetas e quebraram os jarros que tinham nas mãos;

20 – as três companhias tocaram as trombetas e despedaçaram os jarros. Empunhando as tochas com a mão esquerda e as trombetas com a direita, gritaram: “À espada, pelo Senhor e por Gideão! “

21 – Cada homem mantinha a sua posição em torno do acampamento, e todos os midianitas fugiam correndo e gritando.

22 – Quando as trezentas trombetas soaram, o Senhor fez que em todo o acampamento os homens se voltassem uns contra os outros com as suas espadas. Mas muitos fugiram para Bete-Sita, na direção de Zererá, até a fronteira de Abel-Meolá, perto de Tabate.

23 – Os israelitas de Naftali, de Aser e de todo o Manassés foram convocados, e perseguiram os midianitas.

24 – Gideão enviou mensageiros a todos os montes de Efraim, dizendo: “Desçam para atacar os midianitas e cerquem as águas do Jordão à frente deles até Bete-Bara”. Foram, pois, convocados todos os homens de Efraim, e eles ocuparam as águas do Jordão até Bete-Bara.

25 – Eles prenderam dois líderes midianitas, Orebe e Zeebe. Mataram Orebe na rocha de Orebe, e Zeebe no tanque de prensar uvas de Zeebe. E, depois de perseguir os midianitas, trouxeram a cabeça de Orebe e a de Zeebe a Gideão, que estava do outro lado do Jordão.

Juízes 7:19-25

Qual era o tamanho do exercito dos Midianitas?

No capítulo 8.10 a Bíblia nos dá informações sobre o exército que foi abatido neste dia:

10 – Ora, Zeba e Zalmuna estavam em Carcor, e com eles cerca de quinze mil homens. Estes foram todos os que sobraram dos exércitos dos povos que vinham do leste, pois cento e vinte mil homens que portavam espada tinham sido mortos.

Juízes 8:10

Inimigos: 135 mil
Soldados iniciais: 32 mil. 135.000/32.000 = 4,22 inimigos pra cada soldado
Solados após a saída dos que estavam com medo: 10 mil / 135 mil = 13,5 inimigos para cada soldado

Soldados finais: 300 = 135.000/300 =  450 inimigos pra cada soldado. É possível?

Verdades com base em Gideão

Na Bíblia de estudo Pentecostal, há um comentário nesta seção que eu gostaria de reproduzir:

  1. Somente a presença atuante de Deus pode garantir a vitória ao seu povo. Deus pode operar através de um número pequeno ou “insignificante” de pessoas consagradas
  2. Não são grandes cifras e capital que são de importância para Deus e sim a vigilância espiritual
  3. Nosso verdadeiro recurso e força para qualquer problema da vida está em Deus e somente nEle.
  4. O orgulho dos “nossos feitos” sem dúvida é um impedimento para recebermos o poder de Deus

Ajude o ABeEu

Compre produtos com nosso link de afiliado
Doe para apoiar o projeto

Referências

Join Us Today

Digite um endereço de e-mail válido.
Preencha esse campo
Preencha esse campo

Compartilhe…

Veja também

Menu